Sunday, 6 December 2009

pure language

Up, Down.

For then will I turn to the people a pure language, that they may all call upon the name of the Lord, to serve him with one consent.
     Zephaniah - Chapter 3 Verse 9.

Poison Fire film at YouTube, 30 minutes.
originator Poison Fire .org, film maker Lars Johansson's blog, The Ecologist: Interview with Lars Johansson.
Other Lars Johansson films: at YouTube, at Vimeo, at Blip TV.
Environmental Rights Action - ERA, Nigeria, ERA, Nigerian chapter of Friends of the Earth International, Friends of the Earth International (FoEI).

if you watch this film you may be struck as I was that the form of Zephaniah's pure language is not necessarily literate or educated, could anyone doubt the truth in what Tina Esegi & Ifie Lott say?
Tina EsegiTina EsegiTina EsegiTina EsegiTina EsegiTina EsegiTina Esegi
Ifie LottIfie LottIfie LottIfie LottIfie LottIfie LottIfie Lott

in the film you can see Jeroen van der Veer, former CEO and Malcolm Brinded, Executive Director Exploration & Production, and Basil Omiyi, Nigeria 'Country Chair', all of them in action ... management has changed a bit since then, the Chairman is now Jorma Jaakko Ollila, and the CEO is Peter Voser, Malcolm Brinded had aspirations apparently ... but it's the same team doing the same stuff, as I have said before, I hear the stories and then get curious about the people, who are they? intellectually I am with Hannah Arendt - their evil is ... banal, but as a human bein' I am curious, so ...
Royal Dutch Shell plcJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerJeroen van der VeerMalcolm BrindedMalcolm BrindedMalcolm BrindedMalcolm BrindedMalcolm BrindedMalcolm BrindedJorma OllilaJorma OllilaJorma OllilaJorma OllilaJorma OllilaJorma OllilaPeter VoserPeter VoserPeter VoserPeter VoserPeter VoserPeter VoserBasil OmiyiBasil OmiyiBasil Omiyi

and in the Globe today was this: Toronto woman to get $110,000 a month in spousal support, Claude & Carol Ann Elgner are not even close to the realm occupied by these men of Royal Dutch Shell (with the possible exception of the Nigerian muscle, Basil Efoise Omiyi, who lives, I imagine, in yet another realm altogether) and yet even the Elgners are beyond my ken, good thing I suppose, any of them could squash me like a bug ... living in different realms has its advantages

Morgan Tsvangiraiand yet not so different, the bio tells us that Basil Omiyi has 5 kids ... who knows? a good father? quite possibly ... I have a picture somewhere of Morgan Tsvangirai in Zimbabwe with one of his kids, another big guy ...

so, why call this post 'pure language'? why indeed, I read Tim Flannery's latest warning Now Or Never in which he makes his point but fails to link it to the vertical dimension, and James Hoggan's Climate Cover-Up in which he reveals his cowardice (that is an exaggeration ... not cowardice but something like it, maybe later I will try again to say), but he is one step more interesting than Flannery in terms of the vertical dimension, he invokes George Orwell's 1946 essay Politics and the English Language, you can find it here, but there is some water under the bridge since 1946 and for me the essay does not quite come off ... the beginning of the second paragraph (which Hoggan quotes):
"Now, it is clear that the decline of a language must ultimately have political and economic causes: it is not due simply to the bad influence of this or that individual writer. But an effect can become a cause, reinforcing the original cause and producing the same effect in an intensified form, and so on indefinitely. A man may take to drink because he feels himself to be a failure, and then fail all the more completely because he drinks. It is rather the same thing that is happening to the English language. It becomes ugly and inaccurate because our thoughts are foolish, but the slovenliness of our language makes it easier for us to have foolish thoughts."
is maybe the best of it, but if Orwell offers any remedy I must have missed it ... but neither of these two books explains much about why I called it 'pure language'

it is simply this - it came to me as I was watching Tina Esegi in the film ... I had actually set out looking for the apocalypse in Revelations, something to match Bob Dylan's "the end of time has just begun" in Can't Wait, and Frye's soma psychikon and soma pneumatikon in The Double Vision, and Taylor's sacred vs secular time in A Secular Age - I was going to call this post 'the end of time'

hahaha, quite a mouthful ... all very personal ... I see no hope that humans will rein themselves in in time and I am having difficulty coping with that ... vision :-)

I mean, they say that it is difficult to bury your children and I am sure it is even though the notion comes with a whiff of invented-for-the-bourgeois, I still remember one of the films on the war in Vietnam in which a child is killed with rifle butts and the father comes crying, trying to reshape the head with his hands, maybe as if it will bring the child back to life, such anguish ... but this climate extinction is beyond imagination, of course you can hardly get it out of your mouth and the correctitude police come with Prozac & a straight-jacket

Russell DayeBill PhippsBruce Sanguinthere is a fellow in Calgary, Bill Phipps, who will fast during the Copenhagen conference as a kind of prayer that our leaders will find courage, and some others are picking up on it ... more at http://www.billphipps.ca/ ... I suppose I will join them in that prayer.


Global emissions to double on current pledges - Ecofys, with a tool called Climate Action Tracker, from Ecofys which looks like a portion of (now bankrupt) Econcern and under the wing of Dutch power generation company Eneco (english version).

bottom line: 3+ ºC by 2100 not 2.
(discovered - as usual for me - in the Brasilian press)

and while I was there found a few notes on the risk inherent in living on hillsides: Sepultadas 5 vítimas de deslizamentos por chuva em SP e Em três dias, chuva mata 15 pessoas em SP, and later in the Globe: Brazil mudslides kill 20.

Marina Silva e Fábio Vaz de LimaI was watching an interview with Marina Silva (YouTube) and I thought I heard her say, "... four children ... mother-in-law ..." and I was surprised because I had thought she was more of a nun ... turns out "Marina Silva é casada com Fábio Vaz de Lima, tem três filhas, Shalom, de 21 anos; Moara, de 12, e Mayara, de 10; e um filho, Danilo, de 20 anos," this in 2003 (http://www.brasiloeste.com.br/noticia/388/) so they are a bit older now ... hahaha, sometimes I think I know something - and I don't know a damned thing!

here are a few links: Marina Silva Biografia, Senado, Agencia Brasil Clipping 2003, Entrevista com Altino Machado 06/08/2009.

in the YouTube interview she also mentioned Romans 8, so I went there and found this:
And we know that all things work together for good to them that love God, to them who are the called according to his purpose. (Romans 8:28)

Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. (Romanos 8:28)

all good :-)


(Sony has so fucked up the search feature on the Bob Dylan site that it is now faster to use Google)


Appendices:
1. Poison Fire Interview with Lars Johansson, Phil Moore, Sept 11 2008.
2. Toronto woman to get $110,000 a month in spousal support, Kirk Makin, Dec. 3 2009.
3. Former Moderator Bill Phipps to Fast for Courage in Copenhagen, News Release, Dec 3 2009.
4. United Church fasts for emissions action, Matthew Burrows, Dec. 3 2009.
5. Global emissions to double on current pledges-Ecofys, Nina Chestney, Dec. 3 2009.
6. Com metas atuais, emissões de CO2 vão dobrar até 2040, aponta estudo, Folha, 05/12/2009.
7. Sepultadas 5 vítimas de deslizamentos por chuva em SP, Terra, 4 de dezembro de 2009.
8. Em três dias, chuva mata 15 pessoas em SP, A Notícia Joinville, 04/12/2009.
9. Brazil mudslides kill 20, AP, Dec. 4 2009.
10. Marina Silva Biografia, Site Sendado Brasil.
11. Agencia Brasil Clipping, 02/01/2003.
12. Marina: candidatura a presidência da República como estratégia pela economia verde, Altino Machado, 06/08/2009.
     12a. Altino Machado blog'


***************************************************************************
Poison Fire Interview with Lars Johansson, Phil Moore, Sept 11 2008.

Filmmaker Lars Johansson talks to the Ecologist about the making of the film 'Poison Fire' and the curse of oil in the Niger Delta.

Tell us how you came to make the film ‘Poison Fire’

Friends of the Earth International (FOEI) wanted to encourage national groups to produce video reports with local perspectives on how economic globalisation influences communities. They contacted me because they had heard about the work I had been doing in Tanzania with ‘participatory video’. A proposal was put together with Environmental Rights Action in Nigeria and FOEI managed to raise funds so that I could go there.

What is gas flaring and why does it occur?

Oil fields contain various amounts of natural gas. The Nigerian oil contains unusually high proportions of ‘associated gas’. The gas fraction is liquid under pressure and mixed with or dissolved in the crude oil, so there is no way to separate the gas from the oil until it reaches the surface. Flaring occurs simply because they have to dispose of the gas. In most other oil producing countries ‘associated gas’ is sold as natural gas, but in Nigeria there is little such infrastructure. The gas could generate an enormous amount of electricity, but there's no market as the consumers are too poor to pay for it.

What are the ecological and environmental issues in the Niger delta as a consequence of gas flaring (and oil exploration)?

The short answer is that nobody really knows. The local, ecological effects of gas flaring in Nigeria have not been studied. The minister for environment in Bayelsa State (in the Niger Delta, south Nigeria) told me that there is not a single laboratory in the Delta that can do even basic water analysis.

Local people blame gas flaring for a wide range of effects on their health and environment. They say it harms the crops, whether by acidification of the soil or through air borne toxins. Wherever you go in the delta, farmers will point to crops in bad condition and say that it's because of the gas flaring.

Gas flaring is also blamed for all kinds of medical trouble, from cancer to impotence. We know that it emits "a cocktail of toxins", including dioxin and benzene. The spills have a more immediate and obvious impact. Since the creeks flow both ways depending on tide and rainfall, the crude oil sloshes around and travels far in no time. It kills aquatic life, destroys all crops that it touches and pollutes the drinking water. It causes outbreaks of cholera since people abandon their toilets and drink any non-polluted water they can find.

What is the latest news of the Federal High Court of Nigeria’s ruling ordering Shell to phase out gas flaring by 2009?

This concerns two different processes. First, the Federal Government has ordered the oil companies to phase out gas flaring by 2009. But gas flaring has been illegal in Nigeria since 1983 and earlier they set 2004, 2006 as phase out dates so nobody believes they are serious. Shell says they will fail to meet the deadline because of the security situation. I have also seen claims in the Nigerian press that the federal government seeks to re-negotiate the contracts with the oil majors, and that one implication of this would be that the oil companies would have to finance the investment in ending gas flaring themselves. Second, there is the federal high court judgement that Jonah Gbemre from Iwherekan won on 14th November 2005 that required Shell to "immediately" stop gas flaring. Of course Shell couldn't just stop, so the judge eventually granted them a "conditional stay of execution".

The question that Ifie – local activist and participant in the filming - brought to Shell’s AGM [in 2006] in the Hague, the Netherlands concerned one of the conditions attached to this stay of execution: Shell was ordered to present a "detailed technical plan" for how they were going to phase out gas flaring within a year. They did not present such a plan. Their lawyers obstructed the court with procedural matters, court attendants gave different dates for the hearings to different parties. Shell was sued for contempt of court. The court file disappeared and in April 2007 the judge was transferred to Northern Nigeria.

As far as I know there's been no progress since. I thought this was sensational - it is as if Shell’s owners or board members do not care.

(see http://www.climatelaw.org/media/2007May2#fn1)

Can you talk about the concept of ‘participatory video’ (PV) used in the making of the film?

Video, just like writing can be used for good or for bad; for speaking truth to power and for propaganda. If you want to stay close to their story as told in their language, which is a spoken language, ‘participation’ is much easier with video than with writing. We can play back footage directly in the village. They can participate in the editing and verify the results as in "yes, this is what I mean".

A group of more or less literate storytellers can, to a much greater extent than with writing, be co-authors. A journalist who wants to "give voice" (I hate that expression, everybody has a voice already) to politically marginalised people would interview them and walk away with their notebooks for further processing. Of course we too walk away with our video tapes, but still, it is possible to watch, discuss and edit with the community, and that is in itself an extremely rewarding and inspiring process. In the Niger Delta I think "people's voices" have to a great extent been co-opted by chiefs, politicians, militants and NGOs who claim to speak on their behalf.

What is the importance of such a method of production in helping the strained relationship between local communities, oil officials and government?

Our goal was to establish a communication loop between communities, government and the company. Unfortunately Shell refused to play. We tried to talk to one of their community liaison officers when we bumped into him in the field, but didn't even get to say hello before his heavily armed police escort intervened. We tried to ask Shell staff to comment on our footage, we called them and approached them in field offices, in Yenagoa, Port Harcourt and Amsterdam, on our own and through community representatives, but the only time we managed to talk to Shell was at the AGM in The Hague. And there I suspect that Basil Omiyi, the Shell Nigeria MD, did not realise that we recorded the statements he made to Ifie.

While other filmmakers and journalists were arrested in this period we could move freely without interference from the security police. Many in the state government were interested and made efforts to fund and set up a community media centre that they wanted to use for community-based environmental monitoring. When Shell refused to give us permission to take pictures of the gas flares, Tina and Ifie started negotiating with the army unit that protected the station. They explained what we were doing. The officer in charge of the patrol allowed us to shoot the flares as long as we didn't capture any of the buildings. After a short while he stepped into the frame as the camera was rolling and asked us to record a statement. He said that his unit had lost fourteen men to rebel attacks in recent months, and that he did not think it was right that he had been sent to kill and be killed to protect a foreign company from his Nigerian brothers.

’Poison Fire’ is just one example of a story of everyday people against large multinationals. How is your film, and the approach taken, helpful to other communities and groups facing similar issues?

These companies are transnational, and local movements who try to stand up against them need international co-operation too. I recently got an email from Calgary, centre of the Canadian oil industry, from a guy who had seen the video on the web and asked for copies to show in local movie theatres. People there are mobilising against the same oil companies and the insane tar sands projects. They will invite Shell to screenings and ask why anybody would trust them when they behave like this in Nigeria. The film can help them hold Shell accountable, while they help the Nigerians put pressure on Shell.

Your film shows resistance through video-making and the law. Did you come across any radical, and violent, protests against Shell and the Federal (and national) Government?

The delta is a militarised zone and you cannot avoid soldiers, armed rebels, insurgents, political thugs and oil thieves. We had our encounters with them: soldiers aimed their guns at us once; thugs wanted to smash the camcorder on one occasion. Militants wanted to participate but we didn't want to tell their story. I attended a political meeting in Port Harcourt lead by Alhaji Asari Dokubo, by then the leader of a private militia that had successfully fought regular battles with the federal army and threatened to shut down the oil industry. I asked for an interview and was invited to his home the next day - a luxurious house surrounded by a wall with electric fence, surveillance cameras and watchtowers with armed guards. I went there with a guy from a village who sought advice on how to deal with the oil company thugs in his area.

We decided not to use this interview in the film since the militants are not representative of public opinion and aspirations. They are media savvy and get all the attention they want in the world press without our help. It is not true that they enjoy massive popular support among grassroots people. People in the Niger Delta, like everywhere, want peace above all. The Niger Delta is not at the brink of civil war, non-violent struggle remains the way forward.

How does your film – and the issues explored – resonate with wider, global issues?

To me the Niger Delta issues ARE the most urgent global issues of our time but in a local format: economic globalisation, peak oil, climate change, militarisation where a national army protects a foreign company from citizens, the divide between rich and poor, the geopolitics of oil. Nowhere are these trends so obvious and tangible as in the Niger Delta. On the one hand it’s depressing. On the other hand, if you look closer, it is inspiring: people are struggling, uniting, organising, demanding to be heard. They take Shell to court and win thanks to a courageous judge, there is all this debate and talking going on at every level. If they make progress in the Niger Delta, what are the rest of us waiting for?

How do you, as a filmmaker, hope to combat corporate indifference/non-transparency?

I’ve been asking myself that while cutting this film. I was shocked by what I witnessed in the Delta. The hypocrisy and double standards, the corruption and disregard for the law, the lack of common decency when a spill destroyed people’s livelihoods for a decade and Shell didn’t compensate, didn’t apologise, didn’t even clean up.

But I don’t see film making as a weapon for “combat”. I make documentaries and video training projects because I believe in dialogue. I want to create another platform for dialogue between communities, government, companies and consumers - one that is based on see-for-yourself and the spoken word. We took people’s questions to Shell’s offices in Kolo Creek, Yenagoa and Port Harcourt, and all the way to The Hague. But Shell stonewalled us. The commissioner for environment in Bayelsa State asked Shell to come and look at our footage in his office, but the Shell manager refused. I tried to get an interview through Shell’s press office in Amsterdam before finishing this short version of the film. I offered to give them questions in writing in advance and incorporate their answers in the film. But they refused to participate. This is now making it difficult to sell the film to mainstream TV, since they complain that we only hear one side of the conflict.



***************************************************************************
Toronto woman to get $110,000 a month in spousal support, Kirk Makin, Dec. 3 2009.

Record-setting ruling reflects fact that divorce decisions have not kept up with the times, lawyer says

A 61-year-old Toronto woman whose marriage fell apart after 33 years has won a record-setting spousal support award of $110,000 a month.

The extraordinary award – which also included two years of retroactive support at $140,000 a month – was based on the length of Carol Ann Elgner's marriage to Claude Elgner, coupled with Mr. Elgner's annual income of $3-million to $4-million.

Julie Hannaford, a lawyer representing Ms. Elgner, says the amount reflects a growing feeling within the judiciary that spousal support has not kept up with the times.

“It was always thought of as something that keeps the heat and lights on, and the gas in your car,” she said. “Courts are taking a very different view of support – especially in cases where there is a high income. Spousal support used to be kind of punitive against wives. I think there is a stripping away of that kind of undercurrent.”

Ms. Hannaford said Thursday that family lawyers she has spoken to agree it is the largest spousal-support award ever in Canada.

“You never expect an award of that amount,” she said. “You never really know what to expect.”

The couple separated in 2007, after Ms. Elgner had spent their entire married life at home raising their three children – now aged 31, 28 and 27. During that time, Mr. Elgner's businesses – supplying plastic fixtures used in automotive interiors – grew at a colossal rate.

The main companies he owns are ABC Group Realty Holdings and Elgner Group Investments Ltd.

“The parties, late in the marriage, took on an elegant lifestyle,” Madam Justice Susan Greer of Ontario Superior Court said in the judgment. “By the time they separated, they travelled extensively from one residence to another, and spent time at their various timeshares.”

Their assets included a $1.5-million home in Toronto, a $2.6-million summer residence in Muskoka, a $3.5-million home in Florida and a condo in Whistler, B.C., along with five timeshares.

“The wife should not have to eradicate her savings to pay for her living expenses,” Judge Greer said. “She sacrificed a career to be a stay-at-home wife and mother for all those years. This is a family with extensive wealth, and both parties should live out their retirement years in a style that can easily be afforded.”

Mr. Elgner, 62, argued at trial that his former wife has already received $6.2-million in cash and investments directly from him, and that his remaining wealth ought to be largely excluded from the net family assets that are equalized at the time of a divorce.

He also pointed out that Ms. Elgner received $775,443 in after-tax income last year, largely as a result of dividends.

However, in a financial statement prepared for the court, Ms. Elgner said her monthly expenses last year were $115,439, part of which goes to support her sister and much of which went into home repairs, maintenance and gardening.

“The wife says that in 2009, her expenses have decreased to $88,790.33 per month,” Judge Greer said. “This equates to $1,065,483.90 per year.”

The judge noted that Mr. Elgner's income could soar above its current level of nearly $4-million a year.

“It is a reasonable inference that his income may go higher than that, depending on what he requires and how he and his brother – as directors of the various corporate interests – determined what each brother's income should be each year,” she said.

The judge took into account the fact that Ms. Elgner is not employable.



***************************************************************************
Former Moderator Bill Phipps to Fast for Courage in Copenhagen, News Release, Dec 3 2009.

On Sunday, December 6, 2009 former United Church Moderator the Very Rev. Bill Phipps will begin a one-week fast in support of the political leaders whose responsibility it is to ensure the health and safety of the planet for future generations.

The fast is timed to coincide with the opening of the United Nations Climate Change Conference in Copenhagen on December 7, 2009.

Phipps, an outspoken activist, says he believes "the Copenhagen gathering of world leaders is the most important international meeting since World War II."

He describes his fast as an offering of support, encouragement, and solidarity, not a protest.

"Giving up food is my offering and prayer, an embodiment of the struggle to save our fragile world," says Phipps.

He explains that fasting is part of many ancient spiritual and religious traditions. It is used by people who want to clear the mind and body and focus on spirit. Fasting is a form of prayer.

"I feel that humanity's future is in grave peril," says Phipps. "I believe that a sustainable tomorrow is a spiritual question."

Throughout his fast, Phipps will be inviting members of churches, other faiths, and the general public to offer their own prayers for the planet during the days of the meetings in Copenhagen.

He also plans to visit the constituency offices of political leaders such as Prime Minister Stephen Harper and Environment Minister Jim Prentice. The schedule of those visits can be found at www.billphipps.ca.

"We all bear responsibility for the ecological legacy we leave for future generations," says Phipps. "I invite all of us to look into the eyes of children and grandchildren to inspire us to encourage our political leaders to gain courage and take bold action in Copenhagen."



***************************************************************************
United Church fasts for emissions action, Matthew Burrows, Dec. 3 2009.

Rev. Bruce Sanguin is calling it a “Gandhian gesture”.

Beginning next week, the Vancouver-based United Church of Canada minister and his congregation will help coordinate a local rotating fast for climate-change action. They are pushing for Prime Minister Stephen Harper and his minority Conservative government to seek aggressive reduction targets for greenhouse-gas emissions while at the Copenhagen climate talks, which start on Monday (December 7).

Sanguin told the Georgia Straight he got involved because humans are functioning “as though we’re the exceptional species that has a right to colonize the planet”.

“In the process, we’re burning down the natural capital in a frenzy of overproduction and overconsumption,” Sanguin, who preaches at the Canadian Memorial United Church, said by phone. “And it’s because we don’t right now know who we are, because we don’t experience ourselves as deeply embedded in a larger planetary system.”

On Monday, the Fast for Courage at Copenhagen will begin at the church, which is located at 1825 West 16th Avenue. It will keep rolling until December 18, according to the event’s Facebook page. According to a flyer, organizers invite people to participate in the fast for one day or a week, meditate, “be mindful of your planetary footprint”, and write to their MPs.

Sanguin said he got the idea to start a Vancouver event when Calgary-based former United Church of Canada moderator Rev. Bill Phipps announced he was planning to fast during the first seven days of the Copenhagen talks. Another colleague, Rev. Russell Daye in Halifax, said he would do something in Nova Scotia’s capital. Other groups endorsing the event are Be the Change Earth Alliance, Faith & the Common Good, and Voters Taking Action on Climate Change.

Sanguin called what Harper has done so far “fairly pathetic”.

“I’m hoping, and we’re hoping, that this can make a little bit of a difference,” Sanguin said. “I’ll tell you, for me, personally, it’s just an alternative to growing disenchantment and cynicism in what I regard as a kind of lack of leadership around this particular issue.”

Mayor Gregor Robertson will attend the Copenhagen talks along with his fellow mayors from Calgary, Toronto, and Montreal. Robertson spoke to the Straight from his office on November 26, the day Harper announced his intention to attend the talks.

“I was surprised he hadn’t made that commitment long ago, in that he waited for [U.S. president Barack] Obama’s lead to opt in, but it reflects the overall lack of leadership on climate that Canada has demonstrated in recent years, which is deplorable,” Robertson said.

Obama has pledged the U.S. will cut emissions by 17 percent below 2005 levels by 2020. Harper and Environment Minister Jim Prentice are targeting a cut in Canada of 20 percent below 2006 levels by 2020.

Robertson said Canada, and Vancouver, must look at a 25-percent emissions cut below 1990 levels by 2020 to avoid condemning future generations to environmental catastrophe.



***************************************************************************
Global emissions to double on current pledges-Ecofys, Nina Chestney, Dec. 3 2009.

* World heading for warming over 3 degrees by 2100
* Current pledges far from halving emissions by 2050


LONDON - Global greenhouse gas emissions will nearly double from 1990 levels by 2040 based on current emissions reductions pledges, climate consultancy firm Ecofys said on Thursday.

In a new assessment of countries' emissions cut commitments ahead of a U.N. climate summit next week, Ecofys said the world is headed for global warming of well over three degrees centigrade by 2100.

"The pledges on the table will not halt emissions growth before 2040, let alone by 2015 as indicated by the (U.N.'s) IPCC and are far from halving emissions by 2050, as has been called for by the G8," said Niklas Hohne, director of energy and climate policy at Ecofys.

Instead, emissions will nearly double 1990 levels by 2040.

China, India, Brazil and South Africa oppose setting a goal of halving world greenhouse gas emissions by 2050 and limiting global warming to a maximum of 2 degrees centigrade (3.6 Fahrenheit) above pre-industrial times, European diplomats said on Wednesday.

Ecofys said with Russian and U.S. pledges, developed country emissions are projected to be 13-19 percent below 1990 levels by 2020. But the use of forestry credits would reduce this range by 5 percent.

Russia offered to tighten curbs from 1990 levels to between 22 and 25 percent by 2020 in November while the United States pledged a cut roughly 17 percent below 2005 levels by 2020, a drop of about 3 percent below the 1990 benchmark year used in U.N. treaties.

In 2007, the U.N.'s Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) called for a 25-40 percent reduction by 2020.

Recent Chinese carbon intensity goals and Korean emissions targets are "important and useful", but their overall effect on global emissions is disappointing, the report said.

"With no concrete pledges on the table for international aviation and marine carbon dioxide emissions, these are projected to grow to over double 1990 levels in 2020 (...) and to nearly four times 1990 levels in 2050," Hohne said.

"From these numbers there is at least a one in four chance of exceeding warming of four degrees."

Ecofys, Climate Analytics and the Potsdam Institute for Climate Impact Research have developed what they call the "Climate Action Tracker", which provides a picture of each country's proposed commitments and actions.

The tracker reveals that Norway, Japan and Brazil are the developed nations with the most ambitious cuts. If the European Union commits to a 30 percent reduction by 2020 from 1990 levels, it would be considered a "sufficient" effort. The United States is between the middle and bottom of the scale.



***************************************************************************
Com metas atuais, emissões de CO2 vão dobrar até 2040, aponta estudo, Folha, 05/12/2009.

As emissões globais de gases do efeito estufa vão quase dobrar até 2040, em comparação aos níveis de 1990, com base nas atuais metas de redução anunciadas pelos países, disse na quinta-feira (3) a consultoria climática Ecofys.

O cálculo se baseia nos compromissos assumidos pelos governos antes da reunião climática dos dias 7 a 14 deste mês em Copenhague. Pela avaliação da Ecofys, o mundo se encaminha para um aquecimento médio bem acima de 3ºC até 2100.

"As promessas sobre a mesa não irão parar o crescimento das emissões antes de 2040, quanto menos 2015, conforme indica o IPCC (painel científico da ONU), e estão longe de reduzir à metade as emissões até 2050, conforme foi proposto pelo G8 [bloco de países industrializados, disse Niklas Hohne, diretor de políticas energéticas e climáticas da Ecofys.

China, Índia, Brasil e África do Sul manifestaram nesta semana sua oposição às metas de reduzirem pela metade as emissões globais até 2050 e limitar o aquecimento a 2ºC acima dos níveis pré-industriais, disseram diplomatas europeus na quarta-feira. Esses países temem que metas globais ambiciosas afetem seu crescimento, e acham que os países ricos deveriam agir primeiro.

De acordo com o Ecofys, levando em conta a promessa anunciada pelos EUA e outros países, as emissões das nações desenvolvidas devem chegar em 2020 a um nível entre 13% e 19% inferior ao de 1990. Mas o uso de créditos florestais pode reduzir essa cifra em 5%.

A Rússia ofereceu em novembro reduzir suas emissões até 2020 em 22% a 25% abaixo dos níveis de 1990. Os EUA prometem um corte de aproximadamente 3%.

Em 2007, o IPCC propôs uma redução de 25% a 40% nas emissões até 2020, sempre em relação a 1990.

Hahne lamentou a falta de metas concretas para as emissões da aviação e navegação marítima, que devem dobrar até 2020 e quase quadruplicar até 2050 em relação a 1990.

"A partir desses números, há pelo menos uma chance em quatro de superar o aquecimento de 4ºC", disse ele.

A Ecofys, a Climate Analytics e o Instituto Potsdam para a Pesquisa do Impacto Climático desenvolveram o chamado "Monitor da Ação Climática", que acompanha as promessas e ações de cada país.

O índice revela que Noruega, Japão e Brasil são os países com as metas anunciadas mais ambiciosos. Se a União Europeia se comprometer a um corte de 30% no período 1990-2020, será considerado um esforço "suficiente". Os Estados Unidos estão na metade de baixo da escala.



***************************************************************************
Sepultadas 5 vítimas de deslizamentos por chuva em SP, Terra, 4 de dezembro de 2009.

Os corpos das quatro crianças que morreram morreram soterradas por um deslizamento de terra no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo, na quinta-feira, e de um adolescente de 14 anos que morreu em Mauá, no ABC Paulista, foram enterrados nesta sexta-feira. Na tarde de ontem, São Paulo ficou em estado de atenção por mais de quatro horas. A informação é do SPTV.

No Jardim Ângela, uma adolescente também ficou ferida. O trabalho dos bombeiros durou até a tarde desta sexta-feira, quando os corpos das duas crianças que estavam desaparecidas foram encontrados. Em Mauá, na Grande São Paulo, três deslizamentos de terra deixaram um morto e pelo menos seis feridos. O jovem morreu no Jardim Élida, onde três casas ficaram soterradas.



***************************************************************************
Em três dias, chuva mata 15 pessoas em SP, A Notícia Joinville, 04/12/2009.

Em 24 horas, 11 pessoas perderam a vida no estado

Um balanço da Defesa Civil de São Paulo aponta que, desde terça-feira, 15 pessoas morreram e pelo menos 13 ficaram feridas devido às chuvas que atingiram o estado. Entre esta quinta e sexta-feira, 11 mortes foram registradas.

O órgão informou que desde a última terça-feira, 21 municípios foram afetados pela chuva. No total, o número de desabrigados chega a 310 no Estado. O temporal que atingiu São Paulo na quinta-feira causou cinco deslizamentos e oito desabamentos de residência nas zonas leste, oeste e sul da capital paulista.

Somente na região de São Mateus, na zona leste, 123 imóveis foram interditados. Três pessoas morreram em um desmoronamento de terra no Parque São Rafael.

Segundo a secretaria municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, 150 pessoas estão desalojadas na região. Os bairros mais atingidos foram M' Boi Mirim, na zona sul, além de São Mateus, na zona leste.

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), foram 53mm de chuvas, 25% do previsto para o mês todo. O período considerado crítico para chuvas vai de 1º de novembro a 15 de abril.



***************************************************************************
Brazil mudslides kill 20, AP, Dec. 4 2009.

At least four children among the dead, thousands flee homes as mudslides triggered by heavy rains in southern part of the country

At least 20 people have died in mudslides triggered by heavy rains across southern Brazil as rivers rose to rooftops and thousands were left homeless Friday.

Streets in South America's largest city, Sao Paulo, flooded with chest-high waters, paralyzing late afternoon traffic and shutting down airports Thursday, when the rains started.

At least six deaths — including four children — were reported in Sao Paulo's metropolitan area, all caused when mudslides descended on the rickety shacks in shantytowns.

A statement from Sao Paulo's civil defence department said two people were still missing in the city.

Six deaths were reported elsewhere in Sao Paulo state.

Television footage showed Sao Paulo firefighters using heavy equipment while dozens of residents furiously dug through mud with shovels through the night, trying to recover bodies and search for the missing.

On Brazil's southern borders with Uruguay and Argentina, Rio Grande do Sul state reported at least eight people were killed in mudslides and about 18,000 people were forced from their homes.

More than 130 cities in Rio Grande do Sul declared a state of emergency and rivers were swollen 10 metres above normal levels.

Rio de Janeiro saw lighter rains and no deaths were reported as of Friday afternoon. But at least seven neighbourhoods — mostly in the richer southern areas of the city — were left without electricity for hours before it was restored Friday.



***************************************************************************
Marina Silva Biografia, Site Sendado Brasil.

Marina Silva está em seu segundo mandato no Senado Federal, com duração até 31 de janeiro de 2011. O primeiro mandato da senadora começou em fevereiro de 1995. De janeiro de 2003 a maio de 2008, ela esteve licenciada do Senado para assumir o Ministério do Meio Ambiente, de onde saiu no dia 13 de maio de 2008, retornando à Casa.

Eleita para o Senado pela primeira vez, aos 36 anos, pelo Partido dos Trabalhadores (PT), como representante do Acre, Marina Silva foi a senadora mais jovem da história da República, e a mais votada no Estado, com 42,77% dos votos válidos. Derrubando velhos caciques da política regional e rompendo com uma antiga tradição no Acre pela qual só chegavam ao Senado ex-governadores ou grandes empresários.

Atualmente, Marina Silva participa como membro titular das comissões de Meio Ambiente, e de Constituição e Justiça e preside a Subcomissão Temporária - Fórum das Águas das Américas e Fórum Mundial das Águas. É suplente nas comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional, de Educação, Cultura e Esporte, de Direitos Humanos e Legislação Participativa, e de Assuntos Econômicos.

Entre as mais de 100 proposições apresentadas pela senadora, desde o primeiro mandato, destacam-se 54 projetos de lei, dentre eles, o texto propondo a criação do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal- FPE - para as unidades da Federação que abrigarem em seus territórios unidades de conservação da natureza e terras indígenas demarcadas.

Marina Silva também apresentou um projeto proibindo, por cinco anos, o plantio e a comercialização de alimentos contendo organismos geneticamente modificados (ogms) ou derivados, em todo o territorio nacional. Apresentou, ainda, projeto dispondo sobre os instrumentos de controle do acesso aos recursos genéticos do país.

Nos cinco anos do Governo Lula, Marina Silva optou por não fazer pirotecnia, mas trabalhar por políticas estruturantes, baseadas em quatro diretrizes básicas: maior participação e controle social; fortalecimento do sistema nacional de meio ambiente; transversalidade nas ações de Governo; e a promoção do desenvolvimento sustentável.

A ex-ministra sempre afirmou que fazia uma política de Governo. Para tanto, procurou imprimir na equipe do Governo Lula uma visão de trabalho integrado no tratamento das questões relacionadas com a proteção do meio ambiente. Foi assim, por exemplo, que o Governo passou a exigir dos aproveitamentos hidrelétricos a serem leiloados a obtenção da Licença Prévia, para que a viabilidade ambiental dos empreendimentos fosse avaliada antes da concessão para a exploração privada. Também baseado nessa diretriz, o Ministério, por intermédio do IBAMA, passou a ser ouvido prioritariamente antes da licitação dos blocos de petróleo e a variável ambiental começou a pontuar nas várias ações de Governo que envolviam o desenvolvimento sustentável.

Ministra do Meio Ambiente foi o primeiro cargo que Marina Silva exerceu no Executivo, a partir de janeiro de 2003. Convidada para continuar na equipe do segundo mandato do Presidente Lula, Marina Silva introduziu importantes reformas na estrutura do Ministério do Meio Ambiente. No primeiro mandato eram cinco secretarias, de Qualidade Ambiental, da Amazônia, de Biodiversidade e Florestas, de Desenvolvimento Sustentável e de Recursos Hídricos, que precisavam passar por mudanças.

A partir de 2007, o ministério começou a contar com uma nova estrutura, quando foi criada a Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental que, entre outras atribuições, cuidaria do tema que passou a dominar as preocupações no mundo, as mudanças do clima. A nova estrutura foi completada com as secretarias de Biodiversidade e Florestas, de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável e a de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental.

Ao lado dessas secretarias, também foi criado o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, uma autarquia com autonomia administrativa e financeira, para propor, implantar, gerir, proteger, fiscalizar e monitorar as unidades de conservação (UCs) federais, atividades que até então, eram desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). A criação de uma autarquia específica para cuidar da gestão de unidades de conservação federais atendeu a uma reivindicação antiga do movimento ambientalista.

Antes, no primeiro mandato do governo Lula, já havia criado o Serviço Florestal Brasileiro e o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal, para atuar na gestão florestas públicas federais e incentivar as praticas sustentáveis de atividades florestais, como o manejo florestal, o processamento de produtos florestais e a exploração de serviços florestais.

O IBAMA, reestruturado e fortalecido, pode melhor dedicar-se ao trabalho de execução dos processos de licenciamento ambiental, autorizações para uso sustentável dos recursos naturais, monitoramento e fiscalização de atividades predatórias.

Um novo formato para o sistema de licenciamento permitiu um aumento de 50% no total de licenciamentos ambientais entre 2003 e 2006, passando da média de 145 empreendimentos licenciados por ano para 220 licenciamentos de qualidade, com baixo grau de contestação judicial. Para que esses resultados pudessem ser obtidos, foram implementadas medidas de ordem estrutural. A antiga Coordenação Geral de Licenciamento Ambiental foi transformada em uma diretoria específica para o licenciamento, com três coordenações gerais: de empreendimentos de geração de energia hidrelétrica, de petróleo e gás e de transporte, mineração e obras civis.

Os recursos humanos para o licenciamento tiveram um tratamento especial. Em 2003, a equipe técnica da Coordenação-Geral era formada por sete servidores efetivos e 71 contratados temporariamente. Ao sair do MMA, Marina deixou na Diretoria de Licenciamento um quadro com 149 servidores efetivos e 31 temporários, num universo de 180 funcionários. Deixou, também, um sistema que disponibiliza na internet todas as informações relativas aos licenciamentos de competência do IBAMA, por meio do Sistema Informatizado de Licenciamento Ambiental (Sislic), como: relatórios de impacto ambiental, pareceres técnicos e editais de convocação de audiências públicas. Em quatro anos, o IBAMA concedeu licenças para 21 hidrelétricas, o que representa mais de 4.690 mw, todas sem judicialização.

O grande desafio que a ex-ministra encontrou em 2003 foi o crescimento acelerado do desmatamento da Amazônia. Quando o Governo Lula começou, o desmatamento estava em 27 mil quilômetros quadrados, a então ministra conseguiu levar o assunto para o centro de decisão do Governo com a criação pelo Presidente, em 2004, do Plano de Ação para Prevenção e o Controle do Desmatamento na Amazônia Legal, reunindo 14 ministérios, coordenados pela Casa Civil, com a secretaria-executiva exercida pelo Ministério do Meio Ambiente. Em três anos, o desmatamento na Amazônia caiu para 11 mil e quinhentos quilômetros quadrados, uma redução de 57% na área desmatada.

O Plano de Combate ao Desmatamento da Amazônia implementou uma verdadeira revolução no modo de elaborar e implementar políticas públicas na Amazônia. Em primeiro lugar, porque acabou com a velha idéia de que desmatamento era problema da área ambiental e tornou todos os ministérios, sobretudo os da área do desenvolvimento, co-responsáveis com a busca e a implementação de políticas públicas que eliminassem os incentivos diretos e indiretos criados em várias dessas políticas setoriais.

O plano se baseou em três eixos: o combate às práticas ilegais, o ordenamento territorial e fundiário e o apoio às atividades produtivas e sustentáveis. No período em que Marina Silva esteve à frente do Ministério do Meio Ambiente foi apreendido um milhão de metros cúbicos de madeira, presos mais de 700 criminosos, desmontadas mais de 1.500 empresas ilegais e inibidas 37 mil propriedades de grilagem. O trabalho do IBAMA contou com a ajuda da Polícia Federal, do Ministério da Defesa e do INCRA, setores que lidam com a agenda de combate a ilegalidades, no esforço de ampliação das ações de fiscalização e de inteligência.

Outro importante ganho estrutural foi à criação de 24 milhões de hectares de unidades de conservação (UCs) em áreas de fortíssima pressão da fronteira predatória, mudando procedimentos anteriores que criavam essas unidades em regiões remotas e de baixa pressão fundiária. Também foram homologados 10 milhões de hectares de áreas indígenas, além da criação dos distritos florestais sustentáveis, visando ao uso sustentável da madeira, com certificação e manejo florestal, para valorizar a floresta em pé.

O Plano também aperfeiçoou o sistema de monitoramento por satélite, criando o Sistema Deter, do INPE, (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) que permite o monitoramento quase em tempo real e torna a ação fiscaliza tória mais eficiente. Tudo isso disponível na internet para que a sociedade brasileira possa acompanhar e fazer o constrangimento ético a todos os agentes envolvidos na solução ao problema, tanto governo como setor empresarial.

O esforço do governo para reduzir o desmatamento na Amazônia permitiu ao Brasil rever as restrições que vinha apresentando no âmbito da Convenção de Mudanças Climáticas, da ONU, para assumir metas internas de redução de emissão de gases de efeito estufa, uma vez que o desmatamento representa 75% de nossas emissões, segundo o último relatório de emissões realizado pelo País. Essa importante revisão de posicionamento da diplomacia brasileira aconteceu na 13ª Conferência das Partes (COP) da Convenção de Mudanças Climáticas, realizada em dezembro de 2007, em Bali, quando liderou o grupo de 22 países em desenvolvimento que passou a aceitar o estabelecimento de metas voluntárias que possam ser medidas, notificadas e verificadas.

Aquela posição também credenciou o País para lançar nessa mesma COP-13 o Fundo Amazônia, um projeto piloto de incentivo à redução de emissões de gases de efeito estufa devido a desmatamento de florestas tropicais. Esse fundo - já adotado no Brasil - se constituiria de doações voluntárias de países e empresas. Na ocasião, a Noruega já anunciou a decisão de apoiar o fundo brasileiro com a doação inicial de US$ 1 bilhão.

Antes mesmo da realização da COP-13, o Presidente Lula assinou decreto instituindo o Grupo de Trabalho Interministerial que elaborou o projeto de lei que estabelece a Política Nacional de Mudanças Climáticas – já encaminhado ao Congresso Nacional - e o Plano Nacional de Mudanças Climáticas, colocado sob consulta pública para discussão pela sociedade.

No final de 2007, atendendo a proposições da então ministra, o Presidente Lula adotou novas e contundentes medidas para o combate ao desmatamento da Amazônia, diante de sinais de que as taxas poderiam voltar a crescer. Lista de municípios prioritários para ações preventivas para o controle dos desmatamentos, recadastramento de todos os imóveis rurais da região, embargo da produção agropecuária e de exploração madeireira nas áreas desmatadas ilegalmente e suspensão do crédito bancário para os ilegais foram algumas das medidas.

Às vésperas de sua saída do Ministério do Meio Ambiente, Marina Silva propôs e o Presidente aprovou a criação de uma linha de crédito para recuperação da área de reserva legal com espécies nativas. Foi uma das várias medidas previstas na Operação Arco Verde, lançada no dia 5 de maio, junto com Plano Amazônia Sustentável –PAS – e concebida para oferecer estímulos e iniciar o processo de resgate das atividades agropecuárias e florestais da região para a legalidade e sustentabilidade.

Ainda no primeiro mandato do Presidente Lula, Marina Silva propôs e viu aprovada a Lei sobre Gestão de Florestas Públicas, que regulariza o uso sustentável das florestas públicas brasileiras, além de criar o Serviço Florestal Brasileiro e o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal. Quando saiu do Governo, a ex-ministra deixou o processo de licitação para a primeira concessão de exploração sustentável da floresta já em fase de avaliação das propostas.

No ministério do Meio Ambiente, Marina também encaminhou para a Presidência da República, entre outros, o anteprojeto de lei sobre Acesso a Recursos Genéticos, Conhecimentos Tradicionais e Repartição de Benefícios, assim como o projeto de lei que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, em tramitação no Congresso Nacional.

O combate ao desmatamento da Amazônia, cujas florestas estão sob o olhar atento de todo o mundo, foi um grande desafio para a ex-ministra enquanto ela esteve à frente do MMA. Mas foi também na administração de Marina Silva que o Ministério do Meio Ambiente criou um espaço institucional para a discussão, elaboração e implementação de política para cada bioma brasileiro, ao lado da Amazônia: para a Caatinga, o Cerrado, a Mata Atlântica, o Pampa, o Pantanal e para as Zonas Costeiras e Marinhas.

A vida política de Marina Silva começou em 1984, quando ela fundou a CUT no Acre, junto com Chico Mendes, ele coordenador, ela vice. Com a intensa atividade de Chico Mendes nos seringais de Xapuri, Marina assumia na maior parte do tempo a liderança do movimento sindical no Estado. E foi para ajudá-lo na candidatura a deputado estadual que Marina filiou-se ao PT em 1985, fazendo, nas eleições do ano seguinte, a dobradinha com o líder seringueiro e candidatando-se a deputada federal. Marina ficou entre os cinco candidatos mais votados no Estado, mas o PT não alcançou o quociente eleitoral e ela não conquistou a vaga para a Câmara Federal na Constituinte. Chico Mendes também não chegou à Assembléia Estadual.

Em 1988, foi eleita como a vereadora mais votada para a Câmara Municipal de Rio Branco e conquistou a única vaga da esquerda. Em dois anos de mandato como vereadora, Marina promoveu polêmicas que mudaram a política do Acre. Começou por devolver o dinheiro das gratificações, auxílio-moradia, e outras mordomias que os demais vereadores recebiam sem questionamento. Entrou com processo na justiça exigindo que todos fizessem o mesmo, mostrou nos jornais e na televisão o valor dos salários pagos aos vereadores, que a maioria da população desconhecia. Ganhou a oposição e até a ira dos adversários, mas recebeu uma solidariedade popular nunca antes destinada a nenhum político do Estado.

Em l990, candidatou-se a deputada estadual. Obteve novamente a maior votação. O PT e os partidos coligados elegeram três deputados estaduais e conseguiram colocar Jorge Viana, o candidato ao governo, no segundo turno das eleições. Marina não era mais uma voz solitária, transformara-se numa das lideranças de um movimento com grande força no Acre.

Uma pesquisa da Universidade do Acre, à época, mostrou que Marina teve a melhor atuação parlamentar entre os deputados estaduais naquele período. Campeã de tribuna, apartes, indicações e projetos, seu desempenho foi ainda mais surpreendente pelo fato de ter ficado mais de um ano afastada da Assembléia, por problemas de saúde. No final do primeiro ano de mandato, em uma viagem ao interior do Estado, passou mal e teve que ser trazida rapidamente para a capital e ser internada em um hospital. Começou um longo período de sofrimento, com seu estado de saúde agravando-se progressivamente sem que os médicos conseguissem detectar as causas.

Viajou para São Paulo, recorreu à ajuda de Lula, Telma de Souza, Genoíno e outros amigos do PT para conseguir um melhor tratamento e exames mais completos. Mas foi ela própria quem intuiu o diagnóstico: contaminação por metais. Os exames não detectavam isso e ninguém acreditava. Um dia, viu em uma revista o nome de um especialista no assunto e foi procurá-lo sozinha. Amostras de seu cabelo foram enviadas para um laboratório nos Estados Unidos e revelaram que sua suspeita era verdadeira: uma contaminação por metais pesados, provavelmente contraída nos tratamentos contra a leishmaniose, quando ainda vivia no seringal, havia progressivamente provocado prejuízos neurológicos e atingido vários de seus órgãos.

Um problema adicional: o tratamento não poderia ser iniciado imediatamente, pois Marina estava grávida de sua filha caçula, Mayara, que nasceria em meados de l992. Só depois do nascimento da filha, pode finalmente tomar os medicamentos capazes de combater a contaminação. Hoje, diz que recuperou "80 por cento" de suas capacidades, mais ainda vive sob uma rígida dieta da qual foram banidos os alimentos artificiais e toda espécie de enlatados. Mesmo assim, enfrentou estoicamente uma campanha para o Senado que exigiu freqüentes viagens por todo o Estado, de carro, avião, barco e até mesmo longos deslocamentos a pé.

Vencida a campanha, o passo seguinte era corresponder às grandes esperanças que o povo acreano depositava em sua atuação no Senado, que começou em 1995. Marina fez mais que isso: em pouco tempo tornou-se não apenas a principal voz da Amazônia, mas também uma importante referência na política nacional.

A história de vida de Marina Silva é povoada de grandes momentos. Mas ela nasceu em um ambiente simples. Numa colocação de seringa chamada Breu Velho, no Seringal Bagaço, a 70 quilômetros de Rio Branco. Hoje, o local é um projeto de assentamento de agricultores executado pelo INCRA, mas em 8 de fevereiro de l958, data de seu nascimento, não havia estradas e a longa viagem pelo rio tornava quase impossível qualquer assistência médica. As parteiras dos seringais "pegavam" as crianças e, com olho experiente, diagnosticavam se tinham ou não condições de "vingar" em meio à alta mortalidade infantil da floresta. Dos onze filhos de Pedro Augusto e Maria Augusta – pais de Marina Silva, três morreram ainda pequenos. Ela ficou sendo a segunda mais velha dos oito sobreviventes, sete mulheres e um homem.

A família baixou o rio para tentar a vida em Belém do Pará. Não deu certo. O pai trouxe todo mundo de volta ao seringal, fazendo uma enorme dívida com o patrão seringalista que pagou as despesas da viagem. As filhas foram o auxílio de que se valeu para pagar a dívida: Marina e as irmãs cortaram seringa, plantaram roçados, caçaram, pescaram, ajudaram a restabelecer as finanças e a estabilidade da família no seringal.

Escola não havia. Aos 14 anos Marina aprendeu a conhecer as horas no relógio e as quatro operações básicas da matemática para não ser enganada pelos regatões na venda da borracha. Aos 15 ficou órfã de mãe e, como a irmã mais velha havia casado, assumiu a chefia da casa e a criação dos irmãos mais novos. Mas aos 16 anos contraiu hepatite e teve que ir para a cidade, em busca de tratamento médico. Resolveu ficar, trabalhando como empregada doméstica, porque queria estudar. Tinha um sonho: ser freira. Havia aprendido com a avó as rezas e devoções da religião católica. Achava que na vida religiosa poderia formar seu caráter dentro da moralidade exigida pelas tradições dos nordestinos que povoaram os seringais da Amazônia, sendo seu pai um deles. Ao mesmo tempo, ficava fascinada pela possibilidade de estudar nas escolas da Igreja, que eram as melhores da região.

Começou a freqüentar as aulas do Mobral, depois o curso de Educação Integrada, onde aprendeu a ler e escrever. Foi morar com as freiras. Fez o supletivo de 1º grau. Matriculou-se no colegial, mas foi novamente no supletivo que obteve o diploma de 2º grau. Antes dos 20 anos, já se preparava para fazer o vestibular e entrar na universidade. A essa altura, já havia abandonado o sonho de ser freira. Freqüentando as reuniões das Comunidades Eclesiais de Base e aproximando-se dos grupos de teatro amador, percebeu que não aspirava à vida do convento, mas a ação no mundo. E que isso não representava nenhum prejuízo em suas convicções religiosas e morais. Nas lutas dos moradores de seu bairro, descobriu a política não-partidária dos movimentos sociais. Na escola, aproximou-se das lideranças do movimento estudantil.

Uma nova hepatite fez com que perdesse as provas do vestibular. Deixou o noivo Raimundo Souza esperando e pediu ajuda ao Bispo D. Moacir Grecchi para viajar a São Paulo em busca de tratamento. Quando voltou, o casamento adiou por mais um ano sua entrada na Universidade. Mas no ano seguinte, já grávida da primeira filha, iniciou o curso de História, que concluiu em quatro anos. Foi o padre João Carlos, da paróquia que freqüentava, quem sugeriu o nome hebraico Shalon para filha. Um ano depois, nasceu Danilo, nome colocado em homenagem a um amigo, artista plástico e companheiro do grupo de teatro.

Na universidade descobriu o marxismo. Entrou para o PRC, um dos vários grupos semi-clandestinos que atuavam na oposição ao regime militar. Começou a dar aulas de História e freqüentar as reuniões do movimento sindical dos professores. Casou-se duas vezes. Do segundo casamento, com Fabio Vaz de Lima, nasceram mais duas filhas: Moara e Mayara.

O horizonte de Marina Silva nunca parou de se alargar. Hoje, ao currículo onde reúne a experiência como professora de História, líder estudantil, sindical, vereadora, deputada estadual, senadora e ministra do Meio Ambiente Marina está juntando um curso de pós-graduação em Psicopedagogia, que deverá concluir ainda em 2008 e acrescentará mais um campo de atuação na história dessa ex-seringueira que até os 16 anos pouca sabia da vida urbana, mas já conhecia a fundo os segredos da floresta.

A biografia de Marina Silva fez com que ela fosse escolhida pelo jornal britânico The Guardian, em 2007, uma das 50 pessoas em condições de ajudar salvar o planeta. Mas sua lista de premiações e reconhecimentos nacionais e internacionais é longa. Entre muitos outros, ela recebeu o prêmio "2007 Champions of the Earth", o maior prêmio concedido pelas Nações Unidas na área ambiental. No dia 29 de outubro de 2008, a senadora recebeu das mãos do príncipe Philip da Inglaterra, no palácio de Saint James. em Londres, a medalha Duque de Edimburgo, em reconhecimento à sua trajetória e luta em defesa da Amazônia brasileira - o prêmio mais importante concedido pela Rede WWF. Em junho de 2009 recebeu o prêmio Sophie, por seu trabalho em defesa do maio ambiente, oferecido pela fundação norueguesa Sophie, criada pelo escritor norueguês Jostein Gaarder, autor do best seller "O Mundo de Sofia".



***************************************************************************
Agencia Brasil Clipping, 02/01/2003.

Marina Silva diz que seu grande desafio será a parceria entre organismos ligados ao meio ambiente

Agência Brasil - A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, afirmou hoje ao receber o cargo do seu antecessor, José Carlos Carvalho, que o grande desafio de sua gestão será a parceria entre os organismos ligados ao meio ambiente. Segundo ela, é preciso primeiro implementar uma política transversal na "própria Casa”. “Se errarmos, teremos de ter humildade para, novamente nos colocarmos no caminho certo, e fazermos uma política de país. É preciso dar a outra face, a da diminuição do poder, de dividir as realizações", enfatizou Marina Silva.

Professora nascida em um seringal, a ministra disse que deseja que o novo governo sempre ofereça a outra face para começar a governar de forma correta e que ele também seja um governo de militantes, onde todos ofereçam um delta a mais. Marina Silva tem 44 anos e quatro filhos.

Ao discursar, a ministra ressaltou que as suas metas são, em primeiro lugar, criar uma política setorial de meio ambiente em todo o governo federal; criar as bases de instrumentos econômicos para o desenvolvimento sustentável e ampliar cada vez mais a parceria com a sociedade, buscando o controle e a responsabilidade social. Tudo isso, segundo ela, no âmbito de uma política social que possa corresponder às necessidades de combate à fome, criando alternativas, inclusive, que possam ser sustentáveis, tanto para os grandes investimentos, como para as pequenas comunidades.

"É um momento de muita emoção. Devido às minhas dificuldades visuais, não vou ler o texto preparado e, sim, falar de coração. A oralidade é às vezes um pouco afoita, já no texto você pensa. Portanto, quero agradecer a Deus e ao povo brasileiro por estar vivendo este momento. Não sou resultado de uma eleição, sou resultado de uma história de vida, de dificuldades enfrentadas nos seringais do Acre, que começou em 1958", destacou a ministra, observando que três pontos são fundamentais na sua vida: a fé cristã; o seu pai seringueiro e Chico Mendes.

Nascida em 8 de fevereiro de 1958, no Seringal Bagaço, a 70 quilômetros de Rio Branco, capital do Acre, com o nome de Maria Osmarina Silva Souza, a Marina do PT foi uma menina analfabeta até os 16 anos. Ela aprendeu a ler no Mobral e em quatro anos estava na faculdade. Ficou órfã de mãe aos 16 anos, trabalhou como doméstica e chegou a sonhar em ser freira.

Formada em História pela Universidade Federal do Acre em 1985, no mesmo ano filiou-se ao Partido dos Trabalhadores e participou das Comunidades Eclesiais de Base, de movimentos de bairro e do movimento dos seringueiros. Foi secretária nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do Partido dos Trabalhadores (gestão 1995/97); e membro do Conselho Editorial da Revista Esquerda 21; membro titular da Comissão de Assuntos Sociais e da Comissão de Educação do Senado Federal; membro suplente da Comissão de Relações Exteriores e da Comissão de Infra-estrutura do Senado Federal.

Em 1984 fundou a CUT no Acre. Chico Mendes foi o primeiro coordenador da entidade e Marina, a vice-coordenadora. Em 1988, foi a vereadora mais votada em Rio Branco e, em 1990, eleita deputada estadual. Em 1994, foi eleita a mais jovem senadora brasileira, sendo reeleita em 2002 como a mais votada do seu estado.

Marina Silva é casada com Fábio Vaz de Lima, tem três filhas, Shalom, de 21 anos; Moara, de 12, e Mayara, de 10; e um filho, Danilo, de 20 anos. Como senadora, a ministra apresentou 43 projetos no Senado Federal. Entre eles, o projeto da Lei de Acesso à Biodiversidade; o projeto que cria reserva de 2% do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal para os estados que tenham, em seus territórios, Unidades de Conservação federais e terras indígenas demarcadas; Projeto do Orçamento Social; e Projeto da Responsabilidade Social.

Entre as personalidades presentes ao evento estavam o ministro da Educação, Cristovam Buarque; o fotógrafo Sebastião Salgado; o escritor e teólogo, Leonardo Boff; deputados; amigos, companheiros e a família da ministra; embaixadores, funcionários do ministério e de outros órgãos governamentais.

O ministro José Carlos Carvalho, ao transmitir o cargo, enfatizou que “hoje a política ambiental é de vanguarda, moderna, na qual os recursos naturais são as molas mestras das diretrizes ambientais no país. E que a obra que realizamos na administração ambiental é coletiva e solidária”.

A ministra Marina Silva foi muito aplaudida por todos os participantes na chegada e no término da solenidade.



***************************************************************************
Marina: candidatura a presidência da República como estratégia pela economia verde, Altino Machado, 06/08/2009.

"Eu me mobilizo pelo avivamento da utopia para a economia do século XXI"

A senadora Marina Silva (PT-AC) desembarca nesta sexta-feita em Rio Branco, onde nasceu, tendo de cor uma lista de amigos e companheiros que serão ouvidos para tomar a decisão que considera a mais difícil da vida dela: abandonar 30 anos de militância petista, se filiar ao PV, participar da “refundação programática do partido” e se tornar candidata a presidente da República.

Após entrevistá-la na noite desta quinta-feira, o Blog da Amazônia consultou Fábio Vaz de Lima, marido da senadora e um dos secretários mais influentes na gestão do governador do Acre Binho Marques (PT), para saber dele se Marina Silva está mesmo disposta ao desafio ou apenas vai surfar na onda de um convite que já mobiliza os verdes do mundo inteiro.

- Sou contra a saída dela do PT e já expus todas as minhas razões. Mas a maneira como tem se conduzido até aqui me dá a certeza de que a Marina já tomou uma decisão. É possível até que ofereçam para ela a presidência do PV. Sendo assim, vou acompanhá-la, pois sou capaz disso em quaisquer circunstâncias - afirmou Fábio Vaz de Lima.

Antes da entrevista, Marina Silva fez questão de ponderar que tem procurado “ser o máximo econômica possível” por conta do momento de uma decisão vital em sua trajetória, mas não economizou palavras para defender a necessidade de compromissos com a utopia na política:

- Eu me mobilizo pelo avivamento da utopia para a economia do século XXI. É esse trânsito que precisa ser feito e que não existe em lugar nenhum, precisa ser criado para algo diferente.

- Não estou fazendo cálculos. Se eu ficasse fazendo cálculo de tempo em programa eleitoral, jamais teria sido candidata. Você sabe que já fui candidata com um tempo de um minuto, que tinha que ser dividido com o Chico Mendes. Trinta segundos para ele e trinta segundos para mim. Tínhamos que nos apresentar ao vivo. Isso não tem nada pragmático. Prefiro continuar acreditando que o sonho remove montanhas. Foi isso que fizemos em 30 anos. Removemos algumas montanhas, mas não removemos outras porque não nos expusemos com a radicalidade necessária.

- Não vou me iludir achando que alguém que lida com temas considerados secundários ou de minorias, possa colocar em risco uma candidatura que tem todo o peso e respaldo que tem a candidatura da ministra Dilma. Eu estaria sendo pretensiosa se eu embarcasse nessa avaliação.

- Todas as pessoas que estão sabendo disso e que me conhecem, sabem que não se trata de um processo fácil. Mas a história se faz por homens e mulheres que se dispõem a transformá-la. Essa transformação não prescinde a contribuição do sujeito. Neste momento estou vivendo uma dupla situação: a do sujeito que precisa se colocar e, ao mesmo tempo, do agente que sabe que as mudanças não acontecem única e exclusivamente pela ação dos indivíduos.

A seguir, a entrevista de 23 minutos, por telefone, após uma palestra de Marina Silva num evento da CUT em São Paulo:

O que a senhora considera essencial, quais salvaguardas julga necessárias para que possa aceitar ser candidata a presidente da República pelo PV?
Não estou colocando as coisas em termos de candidata. O que me motiva a fazer essa discussão são os desafios e questionamentos que venho fazendo ao longo de alguns anos de que o Brasil está maduro para assumir os desafios da sustentabilidade em todas as suas dimensões como algo estratégico para o país. Como ele pode dar esse passo, fazer esse trânsito, é isso que tem me mobilizado. Tanto é que toda a minha gestão no governo Lula foi levantando essa questão, isto é, da política ambiental como centro das políticas.

Mas o PV a convidou para ser candidata a presidente da República.
Logicamente, a questão que o PV me colocou, o convite que me faz, me deixa honrada, mas o que está me mobilizando são projetos, idéias, sem estar ancorada em cálculos de pesquisas de opinião. Não estou sendo movida por uma questão meramente eleitoral. Ouvi o PV no contexto daquilo que os seus dirigentes e militantes estão falando, que consiste em organizar, em outubro, um processo de refundação programática do partido, onde sairia da lógica do processo de fundação, que veio da Europa, de partido verde tradicional, para a idéia de um partido que colocaria no centro de suas questões estratégicas o desenvolvimento sustentável. A minha reflexão é no sentido de que essa questão não é algo que vai ser resolvida por um partido que possa homogeneizar a sociedade para fazer essa mudança. Não é isso. É algo que demanda um debate na sociedade e que todos os partidos têm que assumir essa questão como estratégica. Eu me mobilizo para o avivamento da utopia para a economia do século XXI. É esse trânsito que precisa ser feito e que não existe em lugar nenhum, precisa ser criado para algo diferente.

Mas tudo isso não passa pela política eleitoral também?
Isso é política, claro. O que eu quero dizer é que a questão eleitoral de ser candidata a senadora ou eventualmente candidata a presidente da República é parte dessa estratégia. Correto? Não é que seja um fim em si mesma a eleição. Se existe alguém que não começou tendo a eleição como um fim em si mesma somos nós numa trajetória de 30 anos no PT. Tivemos que perder muitas vezes para que se pudesse ganhar. Se tivéssemos feito o cálculo pragmático, eu nunca teria saído candidata nem para vereadora de Rio Branco. Então a questão não é meramente eleitoral, mas do movimento que se pode colocar em curso. Essa é a reflexão que estou fazendo. Não estou subordinando isso a qualquer pesquisa de opinião ou qualquer outra coisa, com uma candidatura. Obviamente, a questão da candidatura está posta porque nessa agenda tem a disputa eleitoral e ela é importante e estratégica e precisa assumir isso no centro do debate de todos os partidos. As pessoas sempre acham que qualquer movimento que se faz é para ser contra alguma coisa. Meio ambiente reelabora a política porque é o movimento que se pode fazer a favor. Ser a favor da proteção das florestas é bom para todo mundo, assim como ser a favor da redução das emissões de carbono, de uma agricultura que seja sustentável, o que é bom para a própria agricultura e para a balança comercial. Essa interpretação de que a política só se faz pela negação está sendo reposicionada pelo meio ambiente. É possível fazer política pela a afirmação, para criação daquilo que ainda não existe em país nenhum. O Brasil, por ter as melhores capacidades, pode fazer essa inflexão. É isso que mobiliza.

A senhora sonha em repetir o fenômeno Barack Obama?
Não, não. Eu não pretendo isso. Não sou eu quem tenho essa avaliação. Acho que o tema está posto na sociedade e a sociedade demanda compromisso com ele. Eu me movimento para que o tema ambiental tenha o lugar que precisa ter dentro do Brasil e em todos os lugares do mundo. O presidente Obama está fazendo um movimento e ele vai liderar essa agenda se persistir mesmo. Obama é como aquele super-atleta que ficou fora do jogo durante muitos anos, mas faz a diferença quando entra no time decidido a jogar pra valer.

O PV lhe deu um prazo para obter a sua resposta?
Não, não me deram um prazo. Os prazos, digamos, são os prazos legais. Estou vivendo um momento de muito tensionamento por causa disso. Tenho uma trajetória de 30 anos de PT. Tenho minha vida ligada a esse sonho, a esse projeto, me sinto parte de todas as conquistas e de todos os problemas. O que está em questão agora é como fazer algo que possa estabelecer que as utopias do século XXI de fato possam acontecer, que a gente saia da agenda dos séculos IXX e XX e assuma o desafio civilizatório do século XXI. É isso o que é necessário.

Como reagiu o governador do Acre, Binho Marques, petista, seu maior amigo e aliado político? Ele ficou perplexo com a sua decisão?
Falei aos meus companheiros que tinha recebido convite do PV dentro dessa revisão programática, obviamente incluindo o convite para me filiar e decidir prioritariamente pela candidatura a presidente. Vou pro Acre para conversar com as pessoas, amigos e companheiros, e uma das primeiras pessoas com quem vou conversar será com o Binho. Ele me ouviu e falou que me espera para que a gente possa conversar. Falei também com o ex-governador Jorge Viana e com o senador Tião Viana. No Acre, você sabe muito bem, não existe hierarquia. Não tenho problemas com o PT do Acre.

Mas a senhora pode deixar numa posição desconfortável seus companheiros. Eles a apoiariam ou à Dilma para presidente?
Não quero antecipar essa questão. Estou num momento de reflexão e qualquer juízo de valor que eu faça de algo dessa natureza pode transparecer que já tenho uma decisão. A decisão que tenho é de que a questão ambiental precisa ser colocada como algo estratégico na agenda nacional.

Mas isso não é possível fazer a partir do PT?
Eu acho que isso precisa ser feito dentro de todos os partidos. Não dá para fazer essa mudança achando que um partido sozinho vá homogeneizar. No meu entendimento, é um movimento para que todos se comprometam com essa agenda, pois ela não está colocada com a dimensão necessária por nenhum partido.

A senhora conversou com Ricardo Berzoini, presidente nacional do PT?
Sim. Ele telefonou e pediu-me para que pudéssemos conversar. Vamos conversar quando eu voltar do Acre, após ouvir pessoas com quem tenho uma trajetória de vida. enho uma filha de 28 anos e o PT tem 30 anos na minha vida.

E se o presidente Lula reforçar o apelo pela sua permanência no PT?
Tenho o maior respeito e relação de companheirismo com Lula. Servi durante cinco anos, cinco meses e catorze dias ao governo dele. Não colocaria nenhum tipo de condicionante a isso, pois estou fazendo uma reflexão. Todas as pessoas que estão sabendo disso e que me conhecem, sabem que não se trata de um processo fácil. Mas a história se faz por homens e mulheres que se dispõem a transformá-la. Essa transformação não prescinde a contribuição do sujeito. Neste momento estou vivendo uma dupla situação: a do sujeito que precisa se colocar e, ao mesmo tempo, do agente que sabe que as mudanças não acontecem única e exclusivamente pela ação dos indivíduos. O presidente Lula me chamou e eu me senti honrada de fazer parte do ministério dele. Contribui enquanto achei que tinha o necessário apoio para isso. Respeitosamente, saí do governo quando compreendi que não reunia mais essas condições. O combate que faço hoje no Senado pela agenda do desenvolvimento sustentado não é diferente do que fiz enquanto ministra do Meio Ambiente durante o tempo que permaneci no cargo. E não será diferente do que vou fazer, seja como candidata à reeleição como senadora ou como cidadã.

Na política, a senhora nunca foi de exigir, de dizer “eu quero”. A sua agenda sempre foi a agenda do consenso de seus amigos e companheiros. Neste momento, porém, está tendo que tomar uma decisão pessoal. É a decisão… Sem sombra de dúvida, é mesmo a decisão mais difícil de minha vida.

Pelo fato de ter sido sempre, digamos, objeto do consenso?
Não necessariamente. Quando um grupo resolveu que deveria permanecer no PMDB, nas Comunidades Eclesiais de Base, no Acre, e outro decidiu ficar no pólo que lutaria pela fundação do PT, isso não se deu por consenso. Quando resolvi sair do Ministério do Meio Ambiente, também não foi por consenso.

Tudo bem, mas isso se deu poucas vezes numa trajetória política com mais de 30 anos. Por que agora essa decisão é tão difícil?
Pelo tamanho do desafio e pela magnitude da decisão. Nós temos que buscar fazer essa inflexão nos modelos de desenvolvimento, nas economias dos diferentes países, fazendo com que governos e partidos, acadêmicos, formadores de opinião, se comprometam com essa agenda e coloque-a no centro do debate. Mas não como algo em oposição ao desenvolvimento, mas como parte integrante da mesma equação. Esse é o desafio. Ou isso acontece ou nós vamos chegar em meados do século com a constatação de que a gente pode ter inviabilizado as possibilidades de vida na terra. Esse movimento tem que acontecer sem que a gente perca avanços que tivemos no governo do presidente Lula, que passou de R$ 8 bilhões para R$ 28 bilhões de investimentos em política social. Conquistas como essas devem permanecer, mas existe uma agenda estratégica com a qual temos que nos comprometer.

O que acha dos comentários de que a sua candidatura poderia inviabilizar a candidatura a presidente da ministra Dilma Roussef?
Não vou me iludir com isso, pois é claramente um superestimação de minha possível candidatura. Não vou me iludir achando que alguém que lida com temas considerados secundários ou de minorias possa colocar em risco uma candidatura que tem todo o peso e respaldo que tem a candidatura da ministra Dilma. Eu estaria sendo pretensiosa se embarcasse nessa avaliação.

Mas é fato que o seu carisma é bem maior que o dela, não? Diferente da senhora, ela murcha quando discursa.
Eu não quero especular sobre isso. Ela é um quadro técnico fantástico reconhecido por todos nós.

Na sua decisão tem peso o fato de o PV não dispor de muito tempo na TV para uma eventual exposição de sua candidatura a presidente da República?
Não estou fazendo cálculos. Se eu ficasse fazendo cálculo de tempo em programa eleitoral, jamais teria sido candidata. Você sabe que já fui candidata com um tempo de um minuto, que tinha que ser dividido com o Chico Mendes. Trinta segundos para ele e trinta segundos para mim. Tínhamos que nos apresentar ao vivo na TV. Isso não tem nada pragmático. Prefiro continuar acreditando que o sonho remove montanhas. Foi isso que fizemos em 30 anos. Removemos algumas montanhas, mas não removemos outras porque não nos expusemos com a radicalidade necessária. Esses movimentos precisam ser feitos. Eles são de tamanha magnitude que não temos que ter a ilusão de que vai ser homogeneizado por um partido. Tem que ser um movimento da sociedade, dos empresários, dos políticos, dos acadêmicos, dos jornalistas, homens e mulheres, principalmente da juventude, que não se deixa aprisionar pelos projetos imediatistas, que não fica fazendo cálculos do presente, mas que coloca a contabilidade do futuro para ser resolvida agora.

Então a discussão…
A discussão é no sentido de que se crie para a economia do Brasil uma nova narrativa. Um país que tem 46% de matriz energética limpa não pode ser circundado num debate aonde outros que têm menos capacidade assumem a pró-atividade. Um país que é capaz de fazer um plano de combate ao desmatamento e reduzir 57% de emissão precisa se comprometer com metas de certificação da agricultura, precisa trabalhar para que a infra-estrutura tenha critérios de sustentabilidade, sem que isso signifique ter que sofrer os efeitos indesejáveis dessas mudanças.

Quais seriam os efeitos indesejáveis?
Que o país não possa continuar se desenvolvendo, perca empregos e oportunidades. Nós ainda temos o tempo para fazer o trânsito. Nem dá para dizer mais que não podemos perder o bonde da história. Nós não podemos é perder o trem-bala da história.

No comments: